17/04/2020

SOBRE 'PREPARADÍSSIMA' DE DEMI SMITH E SAM LOVATO


O pop não morreu, foi ao Inferno e voltou. E Dua Lipa está prestes de largar o fardo que é carregar o gênero nas costas sozinha, pelo menos até Lady Gaga ressurgir da quarentena e Rihanna parar de vender Avon. Enquanto isso não acontece, vão surgindo lindas surpresas como esse encontro de dois maravilhosos. 

Sam Smith e Demi Lovato juntam forças, comem glitter e fazem aquilo que Narcisa vem gritado desde que participou do reality Mulheres Ricas - quem entendeu, aplausos, se não entendeu... beijas. I'm Ready é power rainbow e auto-ajuda saudável. Melhor ouvir esse hino do que pagar um coach fracassado para te fazer de trouxa. Os resultados de te levar do ponto A ao ponto B, aqui terão mais sucesso. Vai por Demi, Sam e mim.




Aleatoriamente falando, que bem danado fez pro Sam o fim do relacionamento com aquele atorzinho medíocre da série 13 motivos - a yag que tem Grammys e Oscar está pura libertação! Acompanhar seu Insta é inspirador pois é notável tal redescobrimento como ser humano e sua arte é transparência disso. As cores de Sam nunca estiveram tão lindas, brilhando mais que purpurina no asfalto quente. Mas isso nem foi tão aleatório assim né mores? Acordei bem sábia hoje.

Fotos: Reprodução Youtube

Demi Lovato também está passando por um processo similar, por motivos diferentes e esse duo não poderia ter sido com outra diva. Ambas se reestruturaram, lidaram com seus demônios e esperaram até o momento de gritar: estamos prontas para amar! No feminino, sim! É principalmente sobre amor próprio. Em tempos de quarentena, isso é inspirador e amor próprio não é necessariamente, masturbação. Mas podemos falar sobre isso também. Masturbação é uma prova de amor. Pronto.





Os dois decidiram levar toda a população para esse âmbito de amor embalado num clima de gay soul anthem gospel aleluia ilariê make up tutorial a cor dessa cidade sou eu. Conseguiram tudo que Madonna tentou com I Rise

#StayHome #StaySafe 

Sim, a ditadura gay começa aqui amém. Tudo é lindo e como você gosta quando eu falo mal de algo, ok ok ok falarei, talvez a fotografia poderia ter sido um pouco mais nítida e menos glam. Às vezes parece embaçado demais. Ta aí, falei mal. Uuuuuuuuuuuu! Entretanto entendo a proposta do filtro e escolha do diretor por usar esse clima glossy. Buuuuuuuuuuuu boooooooom. O efeito é queer, é tudo, é você, é eu, é de quem quiser. Na verdade, a obra é para quem aceita o amor como ele deve ser: genuíno. O videoclipe é o veículo perfeito para levar e celebrar essa grande canção para o Universo tão caótico e sombrio de 2020. E Demi nem grita tanto.

SD lembra SJ né mores?

No alto de sua beleza, no vídeo podemos apreciar várias coisas: a vencedora da 12ª temporada de RuPaul's Drag Race na melhor corrida (literalmente) ever já vista, a agonia de ver Demi mais montada que Michelle Visage quase despencando na piscina de metros mil do Tom Daley, os homens wrestlando até virarem euforia e um final apoteótico olímpico. Mesmo Sam roubando todas as cenas divando muito mais que Demi, vamos dar medalha de ouro para as duas.  As medalhas celebrarão a igualdade. Mesmo sendo uma competição, a competição, no âmago do single, é bem outra. Quem faz terapia, sabe. Bjas.

P.S. O título do post os sobrenomes estão certos, sim!


Nenhum comentário:

Postar um comentário