10/01/2020

SOBRE JENNIFER ANISTON E 'THE MORNING SHOW'


Estou para falar sobre The Morning Show algum tempo já mas nessa correria de fim de ano, retrospectiva, amigo secreto, perus, começo de ano, IPVA, resoluções... acabei esquecendo total. Sorry. A série que marca o retorno de Jennifer Aniston aos seriados de TV, foi também a grande aposta da Apple TV+, rede de streaming do Iphone e maças mil. Mas afinal é boa? 

Sim, é - e muito!

Ambientada nos bastidores de um programa matinal dos Estados Unidos, a ação ocorre além dos dramas que é fazer um programa diário ao vivo, às 8 da manhã. Ele disseca a onda de acusações de assédios sexuais no show business de maneira brilhante. O êxito principal é não apontar o dedo para somente um culpado, há cúmplices por todos os lados, assim como uma cultura intrínseca por trás. As ramificações do assunto surpreendem pela inteligência do roteiro. 

Divulgação: Apple TV+

Tudo começa quando Steve Carell é acusado de assédio por uma ex-funcionária do canal, ele é co-host de Jennifer Aniston. A partir disso, tudo começa a desmoronar, abrindo questionamentos comportamentais de todos envolvidos, direta ou indiretamente. Do começo ao fim. É quando surge Reese Witherspoon, repórter de uma emissora local que viraliza na Internet, assumindo o posto de nova apresentadora, meio que "por acaso". Ela não tem papas na língua e possui uma família bem problemática. Antes disso tudo acontecer, há caos e dissecamento de uma indústria bem suja. Sério, é brilhante. 




Jennifer Aniston está espetacular no papel da veterana que se sente ameaçada pelos sinais da idade, pela nova parceira, pelos atos criminosos de seu ex-colega (e amigo) e pelo fim de seu já falido casamento. O elenco toda brilha mas Jennifer transcende.  

TMS é o exemplo claro que nem sempre precisa inovar para lançar algo incrível. É novelão dos bons (isso foi um elogio) com trama envolvente, personagens riquíssimos e edição extremamente hábil.  Tudo indica que a segunda temporada, já confirmada, vai focar nas Eleições desse ano dos Estados Unidos. Assunto é o que não falta.



Nenhum comentário:

Postar um comentário