28/01/2020

#OSCAR2020: SOBRE '1917', O GRANDE FAVORITO DE LEVAR O OSCAR DE MELHOR FILME


Com 10 indicações, 1917 chegou de mansinho e tornou-se o grande favorito a levar o prêmio máximo do Oscar, podendo muito bem, repetir o feito no Globo de Ouro. A grande produção ganhou duas estatuetas de melhor drama e melhor direção (Sam Mendes). E confesso não desgostar nenhum pouca dessa possibilidade. 1917 é magistral em todos os sentidos.


Foto: Divulgação Universal

A história é bem simples: dois soldados (Dean-Charles Chapem e George MacKay), durante a Primeira Guerra Mundial, são designados para uma missão urgente. Eles precisam avisar certo pelotão para cancelar um ataque programado contra a Alemanha pois o mesmo trata-se de uma armadilha dos "inimigos". Caso falhem, 1600 soldados britânicos morrerão. "Não temos tempo a perder", diz Blake (Dean). De fato, eles não tem.

A partir dessa jornada, o longa todo filmado num plano sequência incrível - o melhor já visto na História do Cinema - vai criando tensão, expectativa, dor, esperança, sustos, medo, surpresa... tudo! Os olhos vidram e o corpo treme, quase não há descanso para tantas sensações. Desculpe-me as palavras bregas mas não consigo fugir de nenhuma delas rs.

Por isso é essencial assistir a obra nos cinemas, na maior tela IMAX possível, com o melhor sistema de áudio. É um espetáculo visceral orquestrado com maestria por Deuses da tecnologia, fotografia e direção. Nunca me senti tão inserido dentro de um campo de batalha, eu era um deles ali no meio do caos. Claro que provavelmente, seria morto por alguma dinamite nos primeiros 10 minutos de caminhada.





O filme é de ação mas utiliza os efeitos especiais como condutores dos acontecimentos que pretende retratar e não apenas, como fantoches explosivos, escravos de uma narrativa vazia. Há cuidado também em desenvolver os personagens, os atores não são meros avatares num jogo de videogame mega elaborado. Há alma no meio de bombas, tiros e sangue. Tanto Dean-Charles Chapem quanto George Mackay estão extraordinários e causa estranhamento, seus nomes nem sequer terem sido cogitados para uma possível indicação. Você deve lembrar de Dean por seu trabalho em Game of Thrones. George, por sua vez, é o novo muso do BlogyBlogyBlogy.

Se for para apontar algum defeito, a cena envolvendo um bebezinho é piegas e deveria ter sido cortada na edição final. Sua presença é completamente desconexa e só diminui a nossa imersão e o impacto visceral da obra. Ah, também vale de reclamação, a participação micro do ator Richard Madden, o homem mais lindo do mundo, que só aparece lá no finalzinho do filme. 

Pronto, falei mal de 1917.


#OSCAR2020 - 10 INDICAÇÕES
Filme, Direção (Sam Mendes), Roteiro Original, Edição de Som, 
Maquiagem, Efeitos Visuais, Mixagem de Som, Trilha Sonora, 
Fotografia e Design de Produção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário