12/12/2019

SOBRE O IRLANDÊS


Não tenha medo das 3 horas e meia, O Irlandês passa voando e nem consigo imaginar uma duração menor para o épico que tira qualquer glamour dos mafiosos e brinca de teoria da conspiração em vários momentos. Atento, Kennedys!

Baseado numa história verídica - com situações romanceadas (muito não foi comprovado)-  e até meio bizarra, o novo épico de Martin Scorsese custou a bagatela de 160 milhões de dólares e cada centavo investido foi merecido. É cinema com C maiúsculo em todo seu esplendor. É cinema de autor, com RG e digital. É cinema de astros, monstros consagrados, cheio de Oscar nos bastidores das filmagens. É cinema de responsabilidade e vigor. É um bando de senhor no comando e aqui a experiência é nítida. Todo mundo sabe o que está fazendo.





Elenco primoroso com destaque para Joe Pesci. Edição habilidosa com idas e vindas num ritmo ágil e esperto. Roteiro complexo que finge ser fácil. E mesmo cheirando a testosterona, se ainda existir esse termo tolo de "filme masculino", possui uma sensibilidade, mesmo lidando com extrema violência e temas polêmicos. Lavagem de dinheiro, política, traição, assassinatos... bombom recheado sabor Máfia. E pasme: o filme é puro entretenimento. É gostoso de assistir por mais duras que as coisas retratadas sejam, ele possui um humor peculiar muito bem vindo que quebra um pouco a seriedade e o tema pesado.

Não tenha medo das 3 horas e meia. E sim, tente assistir de uma vez só.


Nenhum comentário:

Postar um comentário